Distrito Federal começa a receber alerta de desastres naturais, via SMS, a partir de segunda

Tesourinhas inundadas Brasília, 17/02/2018A partir desta segunda-feira (19), o sistema de alerta de desastres naturais via mensagens de SMS em operação no Distrito Federal.  Nas regiões Norte e Nordeste no dia 26 de fevereiro.

Criado no início do ano passado, o sistema de alerta de riscos de inundações, alagamentos, temporais, perigo de deslizamentos de terra, manda mensagens de texto (SMS) de alerta para os telefones celulares cadastrados, nos casos de iminência desses acontecimentos.

O envio das mensagens ficará a cargo do Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastres (Cenad) e Defesa Civil dos estados e municípios e o acompanhamento executivo do sistema é da Associação Brasileira de Recursos em Telecomunicações (ABRTelecom).

Até o momento, 2,3 milhões de cidadãos já se cadastraram, e 43 milhões de mensagens de alerta foram encaminhadas, segundo o SindiTelebrasil. A Defesa Civil deve encaminhar uma mensagem de SMS com o seguinte conteúdo: "Defesa Civil informa: novo serviço de envio de SMS gratuito de alertas de riscos de desastres. Para se cadastrar, responda para 40199 com CEP de interesse".

Contudo, mesmo não tendo recebido a mensagem e não sendo morador da região de lançamento, qualquer pessoa que estiver em uma das localidades atendidas pode se cadastrar, desde que informe um CEP do local de onde espera o monitoramento.

Ao fim do cadastro, o usuário receberá uma mensagem que vai informar que o celular está apto a receber alertas e recomendações de Defesa Civil. Também será possível cancelar o serviço por mensagem de celular

Origem do alerta - O sistema de envio de SMS para alerta de desastres começou a ser usado no Japão a partir de 2007. Atualmente, funciona em mais de 20 países.

No Brasil, o sistema já funciona nos estados do Espírito Santo, de Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, do Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, de Santa Catarina, São Paulo e do Paraná.

Ainda serão contemplados com o alerta no decorrer de 2018: Bahia, Sergipe e Alagoas. Em seguida, Pernambuco, Paraíba e Rio Grande do Norte. O sétimo agrupamento inclui Ceará, Piauí e Maranhão; e o oitavo, Pará, Amapá e Acre. Para finalizar, o processo será implantado no Amazonas, em Rondônia e Roraima. A previsão é que no primeiro trimestre de 2018 o sistema esteja disponível em todo o país.

O projeto piloto foi ativado inicialmente em 20 municípios de Santa Catarina, onde moram cerca de 500 mil habitantes.